suspensãoja.jpg
 PELA IMEDIATA SUSPENSÃO DAS AULAS PRESENCIAIS 
AO CONTRÁRIO DO QUE EMPRESÁRIOS DA EDUCAÇÃO QUEREM FAZER CRER, ESCOLAS PRIVADAS NÃO SÃO SEGURAS DIANTE DA PANDEMIA

 

       Não foi necessário um mês de retomada das aulas presenciais para que se confirmasse o que estamos afirmando: NÃO É SEGURO REABRIR AS ESCOLAS DURANTE A PANDEMIA. 

       

      No município de Guarulhos, na rede privada, são mais de 85 casos de contaminação entre professores, estudantes e trabalhadores técnico- administrativos, em apenas um mês. Esses casos ocorreram em 28 escolas – e continuarão a ocorrer, se as aulas não forem suspensas imediatamente - entre as quais escolas grandes que anunciaram a segurança e a eficácia de seus protocolos para exigir do poder público a reabertura. 

     

       Além do relato dos casos de contaminação, que o Sinpro Guarulhos está recolhendo por meio de formulário próprio, recebemos diariamente denúncias angustiadas de professores e professoras com dificuldade para o cumprimento de protocolos, seja por falta de equipamentos de proteção, seja por desrespeitos deliberados das instituições de ensino, ou ainda pior, o negacionismo da gravidade da pandemia.
     

        Há casos de escolas que estão juntando turmas, há casos de escolas recebendo número de alunos maior que o permitido, há casos – muitos casos – de escolas que estão ocultando o número real de contaminados, algumas escolas agem assim alegando defender a educação e a saúde mental das crianças e adolescentes, mas com isso acabam ensinando e reforçando o que deveriam combater e colocando em risco o que deveriam proteger.

     

         Em matéria de defesa da educação, estamos entre aqueles que sempre defenderam a importância da escola como espaço de conhecimento e de sociabilidade, também entre os que lutaram por reconhecimento, valorização dos professores e por direitos. O direito que reivindicamos agora é o direito à saúde e o direito à vida. Essa é a prioridade. 

       

         Ontem o Sinpro Guarulhos, juntamente com a Apeoesp Guarulhos e representantes dos professores municipais, esteve reunido com o prefeito de Guarulhos, com o secretário de educação e com o secretário adjunto de saúde, fomos apresentar os tristes dados da reabertura das escolas e cobrar responsabilidades. Apresentamos o que queremos e o que não aceitamos de jeito nenhum. QUEREMOS A SUSPENSÃO DAS AULAS PRESENCIAIS E NÃO QUEREMOS VOLTAR SEMANA QUE VEM COM UMA LISTA AINDA MAIOR DE TRABALHADORES DA EDUCAÇÃO, DE ESTUDANTES E DE FAMILIARES CONTAMINADOS.

       

         Em seguida, também no dia de ontem, o Sinpro Guarulhos ingressou com ação civil pública denunciando a falácia da segurança e da eficácia dos protocolos nas escolas privadas. Nós pedimos ao poder judiciário, mais uma vez, que aprecie nosso pedido de liminar em defesa da saúde e da vida de professores, estudantes e de todos os trabalhadores das escolas privadas. 

       

         No sábado, dia 06 de março, às 10h, estaremos reunidos em assembleia. Professores e professoras decidirão quais os próximos passos de nossa resistência em respeito à vida, nessa que tem sido a pior fase da pandemia de COVID-19.

 

🚩 SUSPENDER AULAS PRESENCIAIS PARA PRESERVAR A SAÚDE E A VIDA. 

 

🏴 SUSPENDER AULAS PRESENCIAIS PARA CONTER A PANDEMIA.

 

💡 ESSA É A LIÇÃO QUE PODEMOS ENSINAR E APRENDER AO MESMO TEMPO.

 

✊🏾 Sindicato é pra Lutar!

 

Sinpro Guarulhos
04 de março de 2021