:: VITÓRIA PARCIAL INDICA: TEREMOS MUITA LUTA PELA FRENTE!

     

     Ontem, dia 22/09/2021, tivemos uma audiência de Dissídio Coletivo. Mas o que é “Dissídio Coletivo”? Dissídio, no sentido denotativo, significa conflito, discordância. Dissídio Coletivo é um conflito coletivo então? Nas relações de trabalho sim, de certa forma. Nós professores estamos em conflito com os patrões, donos das escolas particulares. Sabe aquela conversa da luta de classes? Pois é, na prática a gente tá no meio da luta de classes rolando e, neste caso, estamos tomando uns golpes bem duros.

 

      Nosso sindicato, instrumento de representação legítima da categoria, construído por cada professora e por cada professor, junto com vários outros sindicatos de colegas docentes da rede particular no estado de São Paulo tentaram demonstrar aos patrões que a gente precisa de melhores condições de trabalho, para garantir nossa sobrevivência material e de nossas famílias. Precisamos de aumento de salário, precisamos de valorização da carreira, de respeito ao docente, de pagamento pelas inúmeras e cansativas horas de trabalho nas plataformas de ensino, nos aplicativos, nos computadores, atendendo alunos, preparando aulas com novas tecnologias e por aí vai.

 

      Trabalhamos muito e temos direito a bolsa de estudos para nossos filhos, temos direito a estabilidade quando somos demitidos, de forma arbitrária, no início do semestre, precisamos de direitos trabalhistas específicos à nossa realidade na sala de aula (sabe as dores nas pernas, nas costas, na garganta? Pois é, tem cláusulas específicas sobre isso em nossa Convenção Coletiva), além de muitas outras garantias para que possamos exercer nosso trabalho com segurança, qualidade e dignidade.

 

       Chegar ao Dissídio Coletivo significa que os patrões recusaram respeitar nossos direitos historicamente (e com muita luta) conquistados e que, por isso, fomos obrigados a recorrer ao judiciário para que tivéssemos respeitados aquilo por que tanto lutamos. O Dissídio, ou seja, o conflito, sempre é arriscado para nós trabalhadores, afinal somos o “lado fraco em que a corda arrebenta”. Ter que levar ao judiciário, que julga olhando e aplicando as atrocidades da Reforma Trabalhista é sempre um grande risco para nós, não há dúvidas, e por isso o Dissídio Coletivo é um ato ou recurso que usamos por necessidade e não por mera vontade de disputar judicialmente nossas demandas.

 

      Ontem, 22/09/21, tivemos algumas vitórias… na verdade conseguimos evitar que fossemos ainda mais atacados em nossos direitos. Não foi uma conquista. Tivemos 6.29% de reajuste sobre o salário base da categoria. Tivemos a concessão de 2 anos de vigência das cláusulas pelas quais lutamos, teremos estabilidade de 90 dias, a partir de hoje e aguardamos o acórdão para saber o que mais vem pela frente.

 

     O que a gente queria com esta nota é dizer: o dissídio é um caminho, mas não é o único e nem é o melhor. A luta muda a vida. Nos unir muda a luta, dá força e acolhe quem se sentir inseguro. Hoje, também, vi uma frase que dizia o seguinte: “ o parabrisa é maior do que o retrovisor, porque o que tem pela frente é muito maior do que o que está ficando para trás…” Vamos pra frente, construir uma luta que não será por nós, sem nós. Vamos juntos, há muito o que fazer.

 

✊🏾 Sindicato é pra Lutar!

Sinpro Guarulhos