REABERTURA SEGURA DAS ESCOLAS: SÓ COM VACINA!

 

     O prefeito de Guarulhos autorizou por meio do Decreto 37.456, de 15 de dezembro de 2020, a reabertura das escolas públicas e privadas a partir do dia 11 de janeiro de 2021. Na educação privada essa data não foi efetivada por conta da cláusula de recesso, assegurada em nossa Convenção Coletiva de Trabalho.

 

      Porém neste momento, com a proximidade do final do recesso escolar, muitos professores estão sendo convocados a retornarem às escolas e junto deste possível retorno muitas dúvidas, receios e angústias têm surgido para professores e professoras.

 

     É importante destacar que o Sinpro Guarulhos tem se posicionado contrário à reabertura das escolas, sobretudo quando a pandemia atinge números estarrecedores de infectados e mortos. Durante todo ano de 2020 insistimos que não havia condição concreta para reabrir as escolas e ao mesmo tempo proteger a comunidade escolar. No entanto, a pressão de determinados grupos econômicos prevaleceu e o prefeito parece indiferente à gravidade que a pandemia adquire neste novo pico de casos. É por isso que a reabertura das escolas pode redundar numa espécie de sabotagem institucional do combate à pandemia que deveria mobilizar todos os poderes do Brasil no sentido da proteção da vida. Muitos docentes e muitos pais devem lembrar que pouco antes da reeleição, o discurso que o então candidato Guti fazia era pelo combate à pandemia.

 

      Professoras e professores não são indiferentes às perdas provocadas pelo fechamento das escolas, já dissemos isso anteriormente, mas não podemos concordar com a irresponsabilidade. Diante da urgência de retomada das diferentes vivências que a escola propicia é também urgente que sejamos consequentes e que sigamos defendendo a vida. Para isso é fundamental que professoras, professores e demais trabalhadores da educação, inclusive aqueles que estão submetidos às formas precárias de contratação, ou seja, os terceirizados e os pejotizados sejam vacinados. Só assim a reabertura das escolas ocorrerá em condições efetivas de segurança sanitária.

 

      Sabemos, é certo, que o Brasil de hoje é conduzido por um presidente indecente que tem agido para boicotar a realização de uma ampla campanha de vacinação que pudesse em pouco tempo estancar a pandemia. Não seria este governo portanto, a considerar a urgência da reabertura das escolas com segurança, mais precisamente a considerar os trabalhadores da educação como grupo prioritário para imunização.

 

Seremos nós, mais uma vez, a defender a vida:

💉 Vacinação para todos e todas!

 

🚩 Pela reabertura segura das escolas: profissionais da educação devem estar nos grupos prioritários para imunização.

 

✊🏾 Sindicato é pra Lutar!